Maria Antonieta se perde dos pais em uma estação de trem. Mesmo com medo, ela escolhe desbravar o desconhecido. É quando surgem gnomos falantes, palácios secretos, florestas com árvores poderosas… Daí, outra mágica aflora, quase imperceptível a olho nu: a descoberta de um novo mundo dentro de si.

Sobre a autora:

Índigo escreve desde que se entende por gente. Tudo começou com um diário cor-de-rosa, quando ela tinha 12 anos. Hoje, são mais de 20 livros publicados, cinco deles em processo de adaptação para produções audiovisuais. O apelido surgiu quando ela começou a publicar seus contos na internet, no século passado. Nasceu em Campinas, em 1971, formou-se em Jornalismo e, atualmente, intercala a escrita literária com a produção de roteiros. Vive num sítio, numa rua sem nome.


Sobre o livro:

Os temas amadurecimento, solidão, liberdade e imaginação são abordados de maneira delicada e, ao mesmo tempo, cheia de dinamismo. Maria Antonieta é filha única. Curiosa e ousada, adora aventuras. Já o gnomo Jean-Charles é mal-humorado e só quer saber de se dar bem. Juntos, eles aprenderão muito.

A voz narrativa, em primeira pessoa, é intercalada entre Maria Antonieta e o gnomo. Assim, temos toda a história narrada pelo ponto de vista dessas duas personagens. Para completar, há ainda um capítulo especial em que uma terceira personagem – a gnoma Charlote –apresenta seu relato. Há, dessa forma, uma riqueza de pontos-de-vista na história, permitindo ao leitor, dentre outras possibilidades: refletir a respeito da alteridade; perceber as diferenças entre as personagens a partir de seu discurso/linguagem.

A história tem caráter universal, dialogando e aproximando-se de narrativas clássicas de maneira coloquial, despojada. Uma criança se perde, sozinha, em uma estação de trem; a descoberta de um mundo mágico; a coexistência do fantástico e do mundo não fantástico (realismo mágico). A figura do gnomo, por sua franqueza e humor afiados, também lembra uma Emília de Monteiro Lobato. Um clássico moderno repleto de elementos fantásticos.

Maria Antonieta e o gnomo é como um ritual de passagem, uma obra para leitores na passagem da infância para a adolescência (middle-grade). Além do conteúdo narrativo, o formato do livro é especialmente pensado para esse público em transição: muitas ilustrações e dividido em capítulos curtos.

As ilustrações de Mika Takahashi são delicadas, remetendo a ilustrações de obras clássicas com uma boa dose de frescor. Complementam o sentido do texto verbal, agregando-lhe significados.

Detalhes:

ISBN: 9788550701011Autor: ÍndigoIlustrações de: Mika TakahashiQuantidade de páginas: 80Comprimento: 17 cmAltura: 24 cmProfundidade: 1,3 cmPeso: 0.34 kgAcabamento: BrochuraEdição: 1ª/2017Informações Gerais:
Imagem meramente ilustrativa, produto pode sofrer alteração sem aviso prévio.
Todas as Informações divulgadas são de responsabilidade do Fabricante/Fornecedor/Editora.
Observe atentamente a idade recomendada para o brinquedo/Livro. Pode conter partes pequenas que podem ser engolidas.

Maria Antonieta e o Gnomo

R$36,90
Esgotado
Maria Antonieta e o Gnomo R$36,90

Maria Antonieta se perde dos pais em uma estação de trem. Mesmo com medo, ela escolhe desbravar o desconhecido. É quando surgem gnomos falantes, palácios secretos, florestas com árvores poderosas… Daí, outra mágica aflora, quase imperceptível a olho nu: a descoberta de um novo mundo dentro de si.

Sobre a autora:

Índigo escreve desde que se entende por gente. Tudo começou com um diário cor-de-rosa, quando ela tinha 12 anos. Hoje, são mais de 20 livros publicados, cinco deles em processo de adaptação para produções audiovisuais. O apelido surgiu quando ela começou a publicar seus contos na internet, no século passado. Nasceu em Campinas, em 1971, formou-se em Jornalismo e, atualmente, intercala a escrita literária com a produção de roteiros. Vive num sítio, numa rua sem nome.


Sobre o livro:

Os temas amadurecimento, solidão, liberdade e imaginação são abordados de maneira delicada e, ao mesmo tempo, cheia de dinamismo. Maria Antonieta é filha única. Curiosa e ousada, adora aventuras. Já o gnomo Jean-Charles é mal-humorado e só quer saber de se dar bem. Juntos, eles aprenderão muito.

A voz narrativa, em primeira pessoa, é intercalada entre Maria Antonieta e o gnomo. Assim, temos toda a história narrada pelo ponto de vista dessas duas personagens. Para completar, há ainda um capítulo especial em que uma terceira personagem – a gnoma Charlote –apresenta seu relato. Há, dessa forma, uma riqueza de pontos-de-vista na história, permitindo ao leitor, dentre outras possibilidades: refletir a respeito da alteridade; perceber as diferenças entre as personagens a partir de seu discurso/linguagem.

A história tem caráter universal, dialogando e aproximando-se de narrativas clássicas de maneira coloquial, despojada. Uma criança se perde, sozinha, em uma estação de trem; a descoberta de um mundo mágico; a coexistência do fantástico e do mundo não fantástico (realismo mágico). A figura do gnomo, por sua franqueza e humor afiados, também lembra uma Emília de Monteiro Lobato. Um clássico moderno repleto de elementos fantásticos.

Maria Antonieta e o gnomo é como um ritual de passagem, uma obra para leitores na passagem da infância para a adolescência (middle-grade). Além do conteúdo narrativo, o formato do livro é especialmente pensado para esse público em transição: muitas ilustrações e dividido em capítulos curtos.

As ilustrações de Mika Takahashi são delicadas, remetendo a ilustrações de obras clássicas com uma boa dose de frescor. Complementam o sentido do texto verbal, agregando-lhe significados.

Detalhes:

ISBN: 9788550701011Autor: ÍndigoIlustrações de: Mika TakahashiQuantidade de páginas: 80Comprimento: 17 cmAltura: 24 cmProfundidade: 1,3 cmPeso: 0.34 kgAcabamento: BrochuraEdição: 1ª/2017Informações Gerais:
Imagem meramente ilustrativa, produto pode sofrer alteração sem aviso prévio.
Todas as Informações divulgadas são de responsabilidade do Fabricante/Fornecedor/Editora.
Observe atentamente a idade recomendada para o brinquedo/Livro. Pode conter partes pequenas que podem ser engolidas.